Arquivo da tag: descida

Serra do Rio do Rastro. A promessa.

Foi há 15 anos.

Numa situação braba, eu fiz uma promessa. Uma promessa que me deixaria em dívida por longos 13 anos.

Há uma serra aqui no Estado, a Serra do Rio do Rastro, pela qual eu sinto um pavor inominável. Tenho um medo fora do comum, seja de subir ou de descer. Na verdade, as descidas me apavoram mais, porque as curvas são horrorosas e a descida é extremamente ingreme.

Pois bem, como a ajuda que eu precisava era muito, mas muito grande, eu prometi a uma Nossa Senhora que ficava numa capelinha no meio da serra que, se  tudo transcorresse bem, eu subiria e desceria a bendita serra sem berrar, gritar, espernear. Enfim, sem fazer escândalo. (perceber que foi o que sempre aconteceu nos passeios por lá).

Daí que, tendo ido tudo bem, eu teria que pagar a promessa. Mas quem disse que eu conseguia? Era pensar em ir e as minhas pernas começavam a bater, a dor de barriga se manifestava, a dor de cabeça ficava insuportável. Até o dia em que falei: ou vou agora, ou não vou mais. Mas aí, eu ficaria em dívida com Nossa Senhora. E isto seria muito ruim, né?

E fomos. O dia estava lindo. Minha mãe nos deu algumas diárias dum clube de turismo que ela pagava. Fomos prum hotel num lugar lindo, porém bucólico além da conta (assunto prá outro post).

Me revesti de coragem e fomos em frente. À medida que a serra se aproximava, eu suava mais e mais. Isto num dia de frio congelante.

Mas subimos. E eu calada. Só aqueles sorrisos frouxos de quem está morrendo de medo. Lá no topo fomos às lojas, compramos coisinhas (meu gorro lindo eu consegui perder no 1º dia), descansamos e iniciamos a descida. Oh, Deus, por que que, prá toda subida tem que haver uma descida? Porque nesta hora, meu coração já estava saindo pela boca, cabeça rodando, eu procurando conversar e rir prá não chorar, os gritos trancados na garganta.

Na parada programada prá que eu agradecesse à santa, a surpresa. Cadê? Cadê a santinha a quem eu tinha pedido a ajuda? A imagem da santa não estava mais lá. Também, 13 anos depois… Tinha mais um monte de imagens, mas não aquela. E ela era tão bonita, tinha uma expressão tão meiga…Mas mesmo assim, agradeci fervorosamente a ajuda.

Depois disso, já precisei outras vezes de alguma ajuda da ‘Turma lá de cima’. Mas agora, prometo coisas mais tranquilas, como nunca mais comer pão(eu amava pão), tomar refrigerante ou bebida alcoolica(eita uma caipirinha) e não comer chocolate(eu era chocólatra). Estas últimas promessas as fiz há 5 anos, e tenho cumprido direitinho, porque, como já falei, a “Turma lá de cima’ tem me ajudado, então não posso falhar com eles, né?

Vai que eu precise de mais uma ajudinha…