Arquivos da categoria: idosa bonita

Minhas rugas e cicatrizes

eu e minhas rugas

Há poucos dias, vendo um canal de documentários na tv, numa séria sobre saúde, a mulher não se conformava com o fato de ter que fazer uma cesariana. Não lembro grandes coisas da história, mas em certo ponto ela falou: “ok, a cicatriz vai estar aí, e meu marido sempre fala que cicatrizes são histórias vividas”. Ou algo assim.

E é verdade, rugas e cicatrizes estão aí como prova do que vivemos e do que passamos, de bom ou de ruim.

Minhas rugas tem período de nascimento e crescimento. Elas foram surgindo devagarinho, foram se fortalecendo com a minha vivência, com os acontecimentos. E estão aí, firmes, fortes, quase inabaláveis. Porque um creminho as disfarça, mas fazê-las desaparecer por completo não, e na verdade, eu nem quero que desapareçam. Já as cicatrizes tiveram até hora de nascimento. Todas tem nome e sobrenome. Todas tem um porque. Umas nasceram num momento mais, outras num momento um pouco menos nobre, como a cicatriz na perna e a no braço que são resultado de uma desobedência aos mesmos pais. Conhece arame farpado? Pois é, eu me enrosquei num. Outras cicratizes ruins são lembranças das inúmeras cirurgias a que já tive que me submeter. Já as cicatrizes boas, eu as tenho como lembranças do nascimento dos meus filhos. Eu os trouxe ao mundo, e a assinatura destas vindas podem ser traduzidas nas cicatrizes que carrego. Elas são como que a assinatura do nascimento de cada filho.

Por isso que não consigo pensar em cirurgias plásticas. Cirurgia reparadora, ok. Eu preciso operar as pálpebras, mas não porque elas sejam desabadas e sim porque o desabamento chegou a tal ponto que está atrapalhando a visão. Não é uma questão estética. É uma questão funcional, digamos assim. Se já não enxergo direito normalmente, imaginem com uma pele na frente do olho. É uma névoa constante…

No resto do meu corpo não mexo. Somente se algum médico me disser que é imprescindível. Se não for assim, deixarei minhas rugas e cicatrizes como marcas da minha vivência. Elas irão junto comigo até o fim.

Assim espero.