A Adultescência

 Gente, vocês já perceberam que para muita coisa ruim que acontece no mundo a culpa é creditada aos adolescentes?

Que ultimamente eles tem escorregado e muito na maionese, isto é inegável. Mas não dá de culpá-los eternamente.

Afinal, muitos destes adultos que hoje culpam a garotada foi, sim, um adolescente rebelde também. Rebeldíssimo, eu diria. Woodstock que me corrija, se eu estiver errada. Porque, mesmo que em menor escala, aqui a gente também aprontava. Eram tempos mais inocentes, é verdade, mas mesmo assim, não exatamente puros.
 
Não me venham, senhores adultos, dizer que nunca fizeram nada. Fizeram, sim, talvez somente a memória lhes esteja querendo pregar uma peça…

Mas sabe o que acontece? Quando a gente vira adulto, vem aquela coisa de ter que ser responsável (ou parecer que é), ter que mostrar os caminhos (mesmo que tortos), ter que dizer que sabe, porque já viveu mais.

Isto é mania de adulto. Achar que porque viveu mais, sabe mais. Besteira. Muitas vezes sim, a vida nos ensina, aos mais velhos, muita coisa, experiência de vida é ótimo, mas daí a achar que sabemos tudo, vai um pulo.

A gente costuma falar em adolescência como uma época de aprontação. Mas eu acho que a adultescência também é terrível. A gente fica meio tolhido, embrutecido pela necessidade do sustento, ter que ganhar dinheiro prá viver. A gente fica querendo, quando adulto, que nossos filhos tenham tudo que não tivemos, e não nos damos ao trabalho de perguntar a eles se eles querem isto. Aí, dá-lhe passeio num hotel fazenda, quando uma simples volta de bicicleta com a gente já seria tudo de bom prá eles (e seria quase de graça). Nos preocupamos em comprar aquela jaqueta de couro maravilhosa, quando prá eles bastaria uma jaqueta jeans rasgada. Almoçar num restaurante legal, quando um sanduba seria suficiente.

Mania que a adultescência tem de achar que sabe tudo.

Povo, que tal, de vez em quando, nos lembrarmos que também fomos jovens, e dar aos jovens de hoje a chance de ser ouvidos?

Pelo menos em nossa casa, com certeza os conflitos entre os adolescentes e os adultescentes diminuiriam, tenho certeza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *